Arte

Alexandre Ferro – O Artesão da Música

“… Música que adoça os meus ouvidos, faz vibrar o meu corpo e alegrar a minha alma…”

O que seria desta vida sem música? Alguém poderia imaginar?

Alexandre Ferro, artesão da música aqui em Pipa, pernambucano de 44 anos, com certeza não pode nem pensar nessa possibilidade. Nesta edição, dedicamos a matéria de arte a ele e a sua profissão.

Alexandre conhece a capoeira na sua terra natal com 17 anos. Imediatamente se apaixona por ela e começa a se interessar pelos instrumentos musicais que fazem parte de sua magia.

“Com dedicação e entusiasmo tudo pode se aprender”, assim Alexandre começa a participar de feiras, eventos e exposições na sua cidade e por todo o estado. Pouco a pouco, vai se aperfeiçoando com o conserto de pandeiros, berimbaus, atabaques, entre outros. Sem deixar de lado, é claro, a prática da Capoeira.

A sua profissão de eletrotécnico o leva para Salvador-BA para uma oportunidade laboral. Podendo aproveitar da cidade rica em música, danças, culinária e percussão, encontrou a união da carreira com a sua paixão. Desta vez, conhece e admira o estilo da Capoeira Angola.

Passado um tempo lá, decide voltar para terra pernambucana, Caruaru, e se dedicar ao artesanato na Feira, com sua própria produção de instrumentos musicais. Já para aquele momento, muito afinada.

“O tempo passa, e se tiver sorte, as coisas mudam”. Depois de sete anos, decide junto a Adriana, sua esposa, vir para Pipa e abrir a loja que leva o nome da sua arte.

No local, ele e um atual ajudante, passam as horas criando instrumentos musicais artesanais como: berimbau, caxixi, pandeiro, tambores diversos, agogô, entre outros. Também produz muitas coisas com material reciclado, pinta quadros e trabalha com os balões, peixes, luminárias e outras peças decorativas. Hoje a vida dele se divide entre a loja, ministrando oficinas como no Fest Bossa & Jazz e Semanas do Meio Ambiente, as aulas de capoeira que oferece com carinho e como voluntário no Projeto Afeto, o surf (motivo que o trouxe para Pipa tantos anos atrás) e, sem dúvida, sua família, pois Alexandre é casado com Adriana Freitas, que também ajuda nas suas produções e tem dois lindos filhos: Mariana (pernambucana) de 12 anos e Miguel, nascido aqui em Pipa, com 9 anos.

Fazer música é uma arte. Fazer instrumentos musicais também. Enquanto o instrumentista dá vida à música com suas batidas, o artesão constrói a ferramenta que gera o som e as futuras canções.

 

Por Aldana Vladimirsky

Texto originalmente publicado na Revista Bora, edição 11, abril de 2015.

No Comments

    Leave a Reply

    Navegue